18 de nov de 2013

Hora de dormir I (pt.1)

Fala pessoal! O meu plano de dominar o mundo escrever um livro foi um fracasso, então fiquem com essa bosta mesmo:

-


A hora de dormir é a pior coisa para uma criança, porque ela tem medo dos Monstros S.A. Sendo eu uma pessoa que acredita na ciência (vulgo nerd) não sei o que aconteceu, mas foi medo e minha mãe não conseguiu lavar as minhas calças até então.

Tudo começou quando me mudei para meu próprio quarto. Meu irmão birrento queria um próprio quarto e ficou com o quarto, e eu fiquei com a casinha do cachorro. Era lugar frio, escuro e com um Slender Man me esperando na porta.

Meu irmão ganhou uma cama nova e eu fiquei com o beliche velho em que a parte de cima tava quase pra cair na minha fuça. A partir da primeira noite eu lembro de sentir um sentimento que ia crescendo dentro do meu ânus, então olhei pras minhas figurinhas da Hot Wheels jogadas no tapete verde-petróleo-bebê e comecei a brincar de Barbie, mesmo tendo 30 anos.

O beliche estava vazio, arrumado, e tinha um chocolate em cima.

Despenquei.

Quando você está acordando de um sono profundo e olha para alguma coisa em movimento ou se mexendo, pode ser que tome alguns segundos para você realmente entender o que está acontecendo. A névoa do sono fica em seus olhos e mesmo em seus ouvidos quando lúcido (Tradução: Você acorda noiado!)

Eu não vi direito o vulto que passou, só sei que ele tinha um pinto grande. Ouvi um barulho que aos ia ficando familiar: o vento assoviando, a janela balançando, a vizinha transando com o amante...

Então imaginei; deve ter sido só o lençol que voou do meu corpo, deve ter sido minha mãe tentando me estuprar. Mas aí ouvi um barulho embaixo da cama, então achei que fosse um gato, mas quando olhei eu vi que não era um gato. Era uma gata.

O gato A gata me atacou e começou a me arranhar. Eu gritei pela mamãe que demorou 8 horas pra chegar.

— Que foi moleque? Estava muito ocupada transando com seu pai.

— Papai broxou?

— Vá dormir!

Minha mãe prometeu dormir na cama de baixo porque papai tá broxa. Noutro dia pensei em ficar em qualquer lugar, menos naquele quarto. Era sábado, pé de diabo quiabo, e tínhamos sorte de ter um grande jardim. Fícavamos lá esperando o Sr. Bocalarga pra brincar conosco. Às vezes fumávamos nossas dorguinhas e viajávamos para uma grande aventura (igual aos Backyardigans).

Enquanto brincávamos de médico eu olhei para a janela do meu quarto e vi uma menina de olhos brancos que saiu voando. Eu sei que há alguma coisa errada com meu quarto, só não sei o que é. Contei pros meus pais sobre tudo o que tinha passado nos últimos dias naquele quarto. Passei três meses no manicômio.

Uma palavra pode parecer oculta na sua mente, e você pode criar um funk com ela. Enquanto eu passava o segundo dia no quarto Hell eu senti aquele mesmo incômodo nos fundilhos, então uma palavra me veio à cabeça:

“Pica.”

Eu devo estar sendo estuprado por um fantasma homem (ou uma fantasma mulher com pênis WTF?). Foi aí que eu percebi que podia estar sendo atacado por um fantasma (Oh, descobriu isso sozinho?!) Fiquei lá... Sozinho... Batendo punheta.

O que a coisa queria? Meu corpo nu.

Mas a coisa se mexeu. E não foi um rato, muito menos produto da minha imaginação, e ficou acariciando meu popozão enquanto falava coisas doces. De medo me caguei, e fedeu.

Senti dois dedos entrando pelo meu orifício anal. Gritei. Ele disse: “Acalme-se baby, hihi!” OMG! Era o fantasma do Michael Jackson. Vi uma luz. Será a luz do fim do túnel? Não. Era só a porra da minha mãe.

“Bosta”.

Essa porcaria de Previsão de palavras fica fazendo aparecer um monte de palavras avulsas, mas voltando à história; isso continuou pelos próximos vinte anos, sempre a coisa vinha, eu gritava, mamãe vinha. Coisa, grito, mãe. Coisa, grito, mãe. Coisa, grito, mãe. Coisa, grito, mãe. Coisa, grito, mãe. Mas com o tempo comecei a gostar das fodidas, mas papi me mataria se soubesse que eu virei.

No inferno inverno a situação piorou. Minha vó ficou dodói. A velhota tava quase pra morrer só porque meu vô morreu. Minha mãe a oferecia de tudo: comida, água, cama e até serviços sexuais. Como ela não aguentava mais a velha, a deixou comigo e foi embora para a França. Agora o bicho estupraria eu e minha vó (se ele fosse bi, é claro.)

Eu taquei fogo no beliche, taquei fogo na casa, taquei fogo no meu pai e na minha avó. Peguei um crucifixo que achei junto com uma caveira. Minha família é satânica, mas depois de me deparar com o bicho aprendi mais de Jesus que o papa.

Será que o bicho o pegará? A avó dele vai morrer? E sua mãe voltará pra casa? E seu pai aparecerá em algum momento? Não perca o próximo capítulo de

Amor à Vida Hora de Aventura Dormir

Oi, oi, oi.

Continua (ou não)...

3 comentários :

  1. POOOOUTZ XD
    CARA,ADOREI A CREPE! Vai ter continuação,né? :) e aliás,manera no oregano ae,champz :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uia, a Tod dos Hetalia tá aqui também! :v

      Excluir

Receba nossas atualizações por e-mail